Busca

 
 
 

Ministrantes:

Prof. Me. Daphne Costa Besen: Mestre em Ciências Sociais pela UERJ, pós-graduanda em Política e Planejamento Urbano pela UFRJ e Bacharel em Relações Internacionais pela PUC-Rio. Trabalhou como Assessora de Cooperação Multilateral por três anos na Coordenadoria de Relações Internacionais da Prefeitura do Rio de Janeiro e atualmente é Diretora de Relações Internacionais na Subsecretaria de Captação de Recursos e Relações Internacionais da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias. Pesquisa paradiplomacia, globalização, internacionalização de cidades e sociologia urbana. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5631757763688028

Prof. Me. Ana Leticia de Figueredo Sampaio: Mestre em Estudos Políticos e Administrativos Europeus pelo College of Europe e Bacharel em Relações Internacionais pela PUC-Rio. Trabalhou como Secretária Parlamentar do Deputado Washington Reis na Câmara dos Deputados e atualmente é Subsecretária na Subsecretaria de Captação de Recursos e Relações Internacionais da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias. Pesquisa política na União Europeia, administração pública e comportamento eleitoral. Lattes: http://lattes.cnpq.br/7999272480077795

Camila Maura Moreira da Silva: Bacharel em Ciência Política pela UNIRIO. Trabalhou como Assessora na ALERJ por dois anos e atualmente é Diretora de Projetos Federais na Subsecretaria de Captação de Recursos e Relações Internacionais da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias. Pesquisa geopolítica, administração pública, comportamento eleitoral e políticas públicas. Lattes: http://lattes.cnpq.br/7471721450152035

Objetivos:

Costumamos compreender o Sistema Internacional como formado por Estados. No entanto, desde o início da década de 90, e com o ápice do processo de globalização, percebemos que novos atores têm participado do cenário internacional. Entre esses atores destaca-se a participação de governos locais (municípios e estados), que têm constantemente se relacionado com outros entes subnacionais e também atuando internacionalmente, o que podemos chamar de diplomacia de cidades ou paradiplomacia. A atuação internacional de governos locais têm adquirido bastante força e importância ao longo dos últimos anos, principalmente devido às conferências internacionais COP21 e Habitat III em que as cidades foram convidadas pela ONU para participarem como atores internacionais. Nessa perspectiva, diversos estados e municípios no Brasil contam hoje com um escritório dedicado às relações internacionais, como é o caso da Subsecretaria de Relações Internacionais do Governo do Estado do Rio de Janeiro, a Coordenadoria de Relações Internacionais da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e a Subsecretaria de Captação de Recursos e Relações Internacionais da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias.

No Brasil, onde as ações do poder público são centralizadas, pouco transparentes e muitas vezes interpretadas como paliativas, é fundamental que se compreenda a formulação das políticas públicas, para a compreensão de que existe planejamento no setor público brasileiro. Políticas públicas nada mais são do que programas e ações desenvolvidos pelo estado e/ou município, com a participação de entes públicos e privados, com o objetivo de assegurar direitos da população, garantindo acima de tudo a cidadania. Para entendermos a aplicabilidade dessas questões, se faz necessário o amparo e direção de aspectos constitucionais e administrativos, que orientam a ação do poder público. A existência de limites, competências e questões como soberania e autonomia devem ser amplamente debatidas para o avanço na direção da conquista de direitos e garantias cada vez mais amplos.

Os objetivos específicos do curso são: apresentar os governos locais como novos atores no Sistema Internacional, trazendo questionamentos, exemplos e explicações para esse fenômeno; apresentar como funciona na prática a administração pública, em especial a municipal, apontando casos do dia-a-dia e desafios da gestão pública; mostrar como as Relações Internacionais podem estar presentes na política local e explicar como isso ocorre por meio da paradiplomacia e autonomia de entes federados. O objetivo geral é trazer para a academia vivências práticas da gestão pública.

Público-alvo:

Alunos de Relações Internacionais, Administração, Economia, Direito e demais interessados.

INFORMAÇÕES

 Datas  05, 12, 19, 26/09 e 03/10
 Horário  De 17h às 19h
 C.H.  10h
 Modalidade  Presencial
 

LOCAL

Campus BC
Rua Benjamin Constant, 213 - Centro
 

INVESTIMENTO

2x  R$50,00
 
INSCREVA-SE